Radioatividade na tela do Smartphone #3

                       Índice do Blog

O objetivo deste terceiro ensaio é detectar radioatividade somente da tela de três Smartphones usando a válvula Geiger-Müller SBM-20. 


Escrito e desenvolvido por Léo Corradini

Nestes ensaios, a eletrônica e a carcaça dos  Smartphones ficaram de fora.
São 26 ensaios usando a válvula russa SBM-20 montada no contador Geiger (1) com um totalizador de pulsos que permite medir valores baixos de radioatividade, fazendo amostragens de longa duração (24 horas).

Veja os dois primeiros ensaios:

No primeiro ensaio usei a válvula Geiger-Müller LND-712:
https://potassio-40.blogspot.com/2018/06/radioatividade-na-tela-do-smartphone.html

No segundo ensaio usei a válvula Geiger-Müller SBM-20:
https://potassio-40.blogspot.com/2020/04/radioatividade-na-tela-do-smartphone-2.html

                             Novos ensaios:

Foram feitos treze ensaios da radiação de fundo (2).


Três ensaios da radiação de três telas distintas, sendo uma com o vidro totalmente quebrado (12 gramas) e colocado num saquinho com o tamanho de 120 x 40 mm.




Também mais quatro ensaios de referência, sendo três de um vidro comum com o tamanho de 200 x 130 x 3 mm. 


Mais um ensaio de 10 gramas de Cloreto de Potássio dentro de um saquinho com o tamanho de 120 x 40 mm.


                         Resultados:




                          Conclusões:

Como aconteceu nos ensaios anteriores, ficou evidente que os valores da radiação da tela são maiores que os da radiação de fundo, demonstrando que ela é radioativa.

É preciso deixar claro que essa radiação é muito fraca e não vai afetar os tecidos da pele, basta comparar os valores obtidos nas telas e a radioatividade da amostra de cloreto de potássio.

Não foi detectada radioatividade significativa na amostra de vidro comum.

Agora, não temos mais a interferência dos materiais usados na eletrônica e na carcaça.
Demonstrando que a radioatividade é gerada majoritariamente na tela de vidro.

Estamos muito mais próximos de afirmar categoricamente que os íons de potássio (3) implantados no vidro da tela é o responsável pela radioatividade detectada.

(1) Veja o projeto do contador Geiger para baixos níveis de radioatividade:
https://potassio-40.blogspot.com/2019/09/contador-geiger-para-baixos-niveis-de.html

(2) A radiação de fundo é o resultado da radioatividade natural do ambiente, ela é composta basicamente pela radiação do radônio e carbono-14 presentes na atmosfera, também por múons produzidos na alta atmosfera e outros elementos radioativos que contaminam todos os materiais a nossa volta.

(3) As telas de vidro dos smartphones são feitas com o "Gorilla Glass" onde os íons de sódio são trocados pelos íons de potássio.

Veja também:

Poeira Radioativa
https://potassio-40.blogspot.com.br/2018/05/poeira-radioativa.html

Granito radioativo
https://potassio-40.blogspot.com.br/2017/11/uma-das-formas-que-desenvolvi-para.html

Radônio e a poeira radioativa
https://potassio-40.blogspot.com.br/2017/11/este-e-um-dos-meus-experimentos.html

A radioatividade do granito  
https://potassio-40.blogspot.com.br/2017/11/a-radioatividade-do-granito.html

Contador Geiger-Müller
https://potassio-40.blogspot.com.br/2017/11/contador-geiger-muller.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Radioatividade do filamento da Magnétron

A radioatividade do Granito

Índice do Blog:

Chumbo na fumaça

Radioatividade na lâmpada fluorescente #2

Joule Thief

A pilha de Zamboni