Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2018

#078 - Radioatividade da Camisa de Lampião

Imagem
                                      Índice do Blog O objetivo deste primeiro ensaio e verificar se a camisa de lampião encontrada no comércio é radioativa. Escrito e desenvolvido por Léo Corradini A camisa de lampião é um dispositivo para a geração de luz branca brilhante quando aquecida por uma chama.  Antigamente era comum encontrar essa peça aditivada com óxido de tório além de óxidos de terras raras. Usei o detector para baixos níveis de radioatividade. Procedimento: Enrolei duas camisas de lampião sobre a válvula Geiger para aumentar a sensibilidade do ensaio. - Camisa de lampião Resultou 27095 contagens em 1440 minutos -> 18,82 CPM  - Radiação de fundo Resultou 27959 contagens em 1440 minutos -> 21,33 CPM Conclusão: Não foi observada radioatividade extra na camisa. Neste ensaio, também ocorreu o que eu costumo chamar de efeito blindagem. O efeito blindagem acontece quando colocamos um material muito pouco radioativo

#077 - Radioatividade do granito da cozinha

Imagem
                                                    Índice do Blog Radioatividade do granito da pia da cozinha (Cinza Corumba) usando o contador Geiger clássico.  Escrito e desenvolvido por Léo Corradini Radiação de fundo típica longe do granito é 20CPM. Testei vários tipos de granitos e descobri que os avermelhados são mais radioativos que os mais escuros. Das amostras, o campeão é o Dourado Carioca. Veja também:   Contador Geiger Clássico https://potassio-40.blogspot.com.br/2018/03/contador-geiger-classico.html

#076 - Dispersão do Radônio na cozinha

Imagem
                                      Índice do Blog O objetivo deste primeiro ensaio é determinar se a poeira próxima do chão da cozinha é mais radioativa que ao nível da mesa. Escrito e desenvolvido por Léo Corradini                                       Teoria do ensaio: A poeira da cozinha é mais radioativa, e o responsável por essa radioatividade extra é o granito da pia.  Os granitos têm em sua composição, além do Potássio (1) , traços de Urânio e Tório, bem como seus filhos, que os tornam radioativos. A poeira fica radioativa porque um dos filhos do Urânio e do Tório é o gás radioativo Radônio. Em particular o Radônio-222 gerado pelo Urânio por ser monoatômico, nobre e ter meia vida relativamente longa (3,8 dias), tem tempo para escapar pela porosidade natural do granito e contaminar a ar. Na verdade não é o Radônio que contamina, quem contaminam  são os filhos dele. Acontece dessa forma, quando o gás Radônio se desintegra emite uma partícula Alfa e transforma-se

#075 - Poeira Radioativa

Imagem
                                    Índice do Blog O objetivo deste ensaio foi medir a radioatividade na poeira do ar da cozinha e comparar com a de outros ambientes domésticos. Escrito e desenvolvido por Léo Corradini Depois de vários ensaios verifiquei que a cozinha é o ambiente mais radioativo aqui em casa. E o responsável por essa radioatividade extra é o granito da pia.                       Teoria do ensaio: Os granitos têm em sua composição, além do Potássio (1) , traços de Urânio e Tório, bem como seus filhos, que os tornam radioativos. A poeira fica radioativa porque um dos filhos do Urânio e do Tório é o gás radioativo Radônio. Em particular o Radônio-222 gerado pelo Urânio por ser monoatômico, nobre e ter meia vida relativamente longa (3,8 dias), tem tempo para escapar pela porosidade natural do granito e contaminar a ar. Na verdade não é o Radônio que contamina, quem contaminam  são os filhos dele. Acontece dessa forma, quando o gás Radônio se desintegra e

#074 - Placa de ensaio para o ICL7107

Imagem
                                        Índice do Blog Na década de 1970 a Intersil lançou no mercado o que viria a ser um dos maiores sucessos em matéria de conversor analógico digital com interface para LED ou LCD. Escrito e desenvolvido por Léo Corradini Trata-se dos lendários ICL7107 (para LED) e ICL7106 (para LCD).            Exemplar produzido na semana 39 de 1977 Na época, eles ainda não eram comuns em nosso mercado, então escrevi para a Intersil e solicitei algumas amostras. Na sequência, montei uma placa de desenvolvimento para o ICL7107 que é um misto de montagem aranha e PCI padrão fixada sobre uma chapa de alumínio. Basicamente, é um voltímetro de 3½ dígitos alimentado por 9V (regulado em 5v) com um gerador de tensão negativa integrado com as seguintes funções: - Divisor de tensão para entradas DC e AC até +/-200,0 mV, +/-2,000 V, +/-20,00 V e +/-200,0 V. - Termômetro para a faixa de -25,0 a 105,0°C - Padrão de tensão de 100,0 mV para calibração do

#073 - Radioatividade da Válvula de Raios X

Imagem
Índice do Blog O objetivo deste ensaio é detectar radioatividade em um tubo de raios X usado para radiografias em odontologia. Escrito e desenvolvido por Léo Corradini O óxido de tório pode ser usado nos filamentos dos tubos de raios X para melhorar a emissão de elétrons. Usei o contador Geiger com um totalizador de pulsos que permite medir valores baixos de radioatividade porque podemos fazer medidas de longa duração.   Esse contador é constituído por uma válvula Geiger-Müller modelo LND712 com janela de mica que é sensível também às partículas Alfa. A eletrônica do contador gera os 500V necessários para polarizar a válvula Geiger, ela também tem um condicionador de pulsos que são totalizados por um contador de 6 dígitos, tudo alimentado por 4,5V e com um baixo consumo de 3,5mA.   Fiz dois ensaios de longa duração. O primeiro ensaio foi para medir a radiação de fundo. No ensaio da radiação de fundo, nada foi colocado na frente da janela da válvula Geiger. Ess