Gamagrafia

                               Índice do Blog 

O objetivo desta postagem é mostrar os dois primeiros ensaios de gamagrafia usando uma minúscula e segura fonte de radiação Gama de Amerício-241.

Escrito e desenvolvido por Léo Corradini



Princípio de funcionamento da gamagrafia.

Gamagrafia é uma radiografia que utiliza a radiação Gama no lugar dos raios X.

A radiação Gama é produzida no núcleo do átomo enquanto que os raios X são produzidos na eletrosfera.

Esses dois tipos de radiação têm comprimento de onda muito curto que permite a elas atravessar com certa facilidade a matéria.
Quanto menos densa for a matéria mais transparente será para essas radiações.

O filme fotográfico é sensível tanto aos raios X quanto à radiação Gama. 
Depois de revelado, o filme apresenta escurecimento proporcional à radiação recebida.

As partes menos densas, do objeto radiografado,  facilitam a passagem da radiação e formam marcas mais escuras no filme.

Assim, podemos fazer um retrato interno dos mais variados objetos. 

Nestes ensaios, usei a radiação Gama produzida por uma fonte muito pequena e fraca com 0,3 µg do isótopo Amerício-241 usado na câmara de ionização de detectores de fumaça domésticos.




A exposição do primeiro ensaio teve duração de 3 dias e a distância da fonte de radiação até o filme foi de 5 mm.






No segundo ensaio, modifiquei a distância entre a fonte e o filme para 13 mm usando uma pequena lata com tampa como suporte.
O objeto desta gamagrafia é um circuito integrado usado em fonte chaveada (MIP2E3D), o tempo de exposição foi de 13 dias.


Usei dois ímãs para segurar o filme no fundo da lata. 


Com a distância de 13 mm, o espalhamento da radiação foi suficiente para toda a extensão do filme.

Observamos que o suporte do cristal de silício tem um tamanho incomum para esse tipo de invólucro.


Isso se deve ao fato de que esse integrado tem somente três terminais, os demais estão ligados diretamente no suporte do cristal.
Assim eles podem ajudar a dissipar o calor gerado pelo MOSFET de potência.  


Conclusão:

Como a fonte de radiação utilizada é muito fraca, temos que usar tempos de exposição longos, vários dias.

As partes mais claras nas imagens dos filmes são devidas aos metais presentes nos objetos radiografados.
Os metais são mais densos e dificultam a passagem da radiação.


Acredito, que com o aumento dos tempos de exposição será possível visualizar também os cristais de silício tanto do chip de Smartphone quanto do circuito integrado.

Novos ensaios a caminho!
   
Veja também:
Radiação Gama do Amerício-241

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Radioatividade do filamento da Magnétron

Chumbo na fumaça

A radioatividade do Granito

Radioatividade na lâmpada fluorescente 2

Joule Thief

Kit de Eletrônica da Philips

Kit de Química