#064 - Magnésio no Sal Rosa

                                       Índice do Blog

O objetivo deste ensaio é mostrar um método para detectar o íon de magnésio no sal rosa do Himalaia.

Escrito e desenvolvido por Léo Corradini




Ensaiei uma amostra de sal rosa outra de sal comum e uma solução com íons de magnésio como referência.

A solução de referência é composta por 10mL de água destilada e uma gota de uma solução saturada de cloreto de magnésio.


Teoria do ensaio:

O hidróxido de magnésio, recentemente preparado, tinge-se de marrom/vermelho na presença do iodo dissolvido em iodeto, esse fenômeno é característico do íon magnésio.

O iodo (I) reage com o íon hidroxila (OH-) produzindo o íon iodeto (I-), água e o íon hipoiodito (IO-) que tem uma cor mais clara que o iodo, aumentando o contraste entre a solução e o hidróxido de magnésio tingido.

2I + 2OH- <--> I- + H2O + IO-

A precipitação de magnésio sob a forma de hidróxido de magnésio remove os íons hidroxila, assim o sentido da reação tende para a produção do iodo necessário para a adsorção.

Esse fenômeno é muito interessante e aumenta muito a sensibilidade do ensaio.

A técnica original acaba aqui, mas fiz uma modificação para aumentar ainda mais o contraste entre a solução e o hidróxido tingido, para tanto adicionei algumas gotas de amido solúvel.

Procedimento:

- Dissolver um grama do sal, em 10mL de água destilada ou desmineralizada.

- Acrescentar dez gotas de uma solução composta por 25mg de cristais de Iodo e 1g de Iodeto de Potássio dissolvidos em água destilada suficiente para 25mL.

Dissolver primeiro o iodeto em 10mL de água, depois acrescentar os cristais de Iodo.
O Iodo é pouco solúvel em água, porém sua solubilidade aumenta muito na presença de íons iodeto pela formação de íons triiodeto.
Em seguida, elevar o volume para 25mL, temos uma solução com 1mg/mL.
O Iodo é volátil, guardar a solução em um frasco de vidro bem fechado.

- Mais cinco gotas de uma solução de amido solúvel a 0,5%.

- Finalmente, três gotas de uma solução com um grama de hidróxido de potássio em 30mL de água destilada. 

Se o íon de magnésio estiver presente forma-se, depois de um ou dois minutos, o hidróxido de magnésio na forma um precipitado tingido de azul.





Resultados:

A solução de sal rosa do Himalaia apresentou o precipitado azulado demonstrando a presença do íon de magnésio.

A solução do sal comum apresentou uma quantidade muito pequena de precipitado de hidróxido de magnésio.

A solução de referência mostrou uma grande quantidade de precipitado azul, como era de se esperar.

Acredito que é possível transformar esse teste qualitativo em um teste semiquantitativo criando-se um conjunto de soluções de referência com quantidades conhecidas de magnésio e comparando-se com o ensaio do sal rosa.

Apesar do sal rosa conter mais magnésio que o sal comum, a falta de iodo (demonstrada em outro ensaio) torna o sal rosa impróprio para o consumo daquelas pessoas que dependem do íon iodato adicionado no sal para complementar uma dieta deficiente em iodo.  

Algumas considerações sobre o magnésio no que diz respeito ao sal rosa do Himalaia.

Necessitamos de uma quantidade relativamente grande desse mineral. 

O fragmento de magnésio com 400mg da foto equivale a dose diária necessária para a boa saúde.




Naturalmente, temos que ingerir na forma de íons.

A barra com 25g equivale a todo o magnésio que temos no corpo, 65% estão nos ossos.





Mas, ele está presente em muitos alimentos.

Magnésio em alguns alimentos (mg/100g):

Farelo de trigo.....................................480 
Castanha do Pará.................................357 
Semente de linhaça crua.......................351 
Semente de gergelim descascada...........347 
Amêndoa crua......................................265 
Caju torrado........................................260 
Gérmen de trigo...................................259 
Farinha de soja....................................240 
Aveia esmagada...................................200 
Nozes.................................................144 
Leite e pó desnatado............................142 
Farinha de trigo....................................103 
Leite em pó integral...............................93 
Figos secos...........................................92 
Ervilha seca...........................................82 
Pêssego seco.........................................80 
Mandioca crua........................................66 
Atum cru...............................................50 
Farinha de milho....................................47 
Damasco seco........................................41 
Mexilhão cru...........................................39 

Se ele estiver presente em nossa alimentação no nível recomendado, então certamente não existe a necessidade de suplementação. 
Normalmente costuma-se usar o Cloreto de Magnésio como suplemento, ele é de baixa toxicidade, porém o excesso pode causar diarreia.

O ensaio mostrou que a quantidade de magnésio em um grama de sal rosa é menor que na solução de referência que tinha 4,6mg.
Mas, vamos considerar que a quantidade de magnésio no sal rosa é igual à da solução de referência.
Também vamos considerar que a quantidade de sal ingerida diariamente seja 6 gramas.

Então, o sal rosa contribuiria com 4,6 x 6 = 27,6mg de magnésio que corresponde a 6,9% da nossa necessidade diária desse mineral.

Acredito que não vale a pena trocar o sal comum que não tem o magnésio, mas é enriquecido com o iodo, pelo sal rosa que não tem o iodo e é muito mais caro.

O magnésio na água do mar.

Quantidade dos principais íons presentes na água do mar (mg/L):

Cloro.............18980 
Sódio.............10556
Sulfato...........2649
Magnésio.......1262
Cálcio.............400
Potássio..........380

Nas salinas, os íons de cálcio, potássio, magnésio e sulfato separam-se do sal que cristalizou, dissolvidos na água que vai escorrendo embaixo dos montes de cristais.
Por serem mais solúveis ou estarem em menor concentração, acabam separando-se naturalmente no processo de cristalização do cloreto de sódio.

Se o sal realmente preservasse todos os íons originais da água do mar, empedraria ainda mais facilmente com a umidade do ar e seria necessário mais antiumectante.
Além da presença, não muito bem vinda, do íon sulfato que é laxativo e iria potencializar a ação também laxativa do íon magnésio.


Veja também:

Magnésio no sal grosso
https://potassio-40.blogspot.com.br/2018/02/magnesio-no-sal-grosso.html

Iodo no Sal Rosa #1
https://potassio-40.blogspot.com/2017/11/o-objetivo-deste-ensaio-e-pesquisar-o.html




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

#042 - Radioatividade do filamento da Magnétron #1

#037 - A radioatividade do Granito

#034 - Índice do Blog

#023 - Joule Thief

#038 - Chumbo na fumaça

#046 - Kit de Química da John Adams

#052 - Impressora Jato de Tinta