#172 - Coesor de Branly

 O objetivo desta postagem é mostrar como construir um detector de RF com tecnologia vintage conhecido como Coesor de Branly.

Escrito e desenvolvido por Léo Corradini

O coesor Brandy foi um dos primeiros detectores de RF inventados no começo do século 20.
A sua resistência elétrica diminui muito quando ele detecta um pulso eletromagnético. 
Ele era ligado a uma antena, geralmente um dipolo, para comunicações a longa distância.
Sua principal desvantagem é a necessidade de uma pequena pancada para desligá-lo e deixá-lo pronto para um novo pulso eletromagnético.

Basicamente ele é composto por dois eletrodos montados em um tubo isolante com limalha de algum metal entre eles.
No primeiro ensaio, usei limalha de alumínio, mas também funcionou com quadradinhos de papel de alumínio com aproximadamente um milímetro de lado.
A distância em os eletrodos foi de 3 mm.

Partes do primeiro protótipo

Para testar o primeiro protótipo usei um multímetro analógico na escala de x10k ohm.

Como fonte de pulsos eletromagnéticos usei um gerador de faíscas piezoelétrico retirado de um isqueiro.
Para facilitar o uso do gerador, liguei dois fios com capa de teflon com uma isolação adicional de espaguete termo retrátil e envolvi com Durepoxi.


No segundo protótipo usei dois pedaços de fio de cobre e 100 mg (180 pç) de esperas de solda BGA com 0,5 mm de diâmetro com liga 67% de estanho e 37% de chumbo.

Para testar esse protótipo usei uma bateria de 3 V e um LED.

Para ajustar o ponto de funcionamento basta ir aproximando os eletrodos lentamente até que haja condução daí dá-se uma batidinha no centro do coesor, ele deve desligar. Se não desligar, afasta-se com muito cuidado os eletrodos.

Conclusão:

Geralmente, usam-se dipolos ligados ao coesor e também no gerador de faísca para fazer os ensaios, mas os protótipos foram suficientemente sensíveis e funcionaram sem as antenas.
Acredito, que esses dispositivos podem ser interessantes para feiras de ciências.
O protótipo com as esferas BGA ficou muito bacana e me pareceu mais sensível que a limalha de alumínio.

Limalha de outros metais poderão ser experimentados, o cobre é uma boa escolha.

Veja também:

Índice do Blog
https://potassio-40.blogspot.com/2017/11/blog-post.html

Vídeos dos ensaios:

https://www.youtube.com/watch?v=3lcTX22h1B4

https://www.youtube.com/watch?v=8MFgHLW8RBw


Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

#042 - Radioatividade do filamento da Magnétron #1

#037 - A radioatividade do Granito

#034 - Índice do Blog

#023 - Joule Thief

#038 - Chumbo na fumaça

#046 - Kit de Química da John Adams

#052 - Impressora Jato de Tinta