Radioatividade do Potássio metálico

                   Índice do Blog

O objetivo deste ensaio e testar a radioatividade de uma amostra de 10 gramas de potássio metálico em pedaços.



Escrito e desenvolvido por Léo Corradini 

Neste blog, fizemos várias medições da radioatividade do cloreto de potássio que serviram de referência para muitos ensaios, agora chegou a hora de medir a radiação do metal puro!

Teoria do ensaio:


O estado de oxidação de um átomo radioativo não afeta a sua propriedade de emitir espontaneamente energia na forma de partículas e ondas.


Assim, tanto o potássio metálico quanto o cloreto de potássio, e todos os outros compostos de potássio, são radioativos.

O potássio é naturalmente composto por três isótopos, um deles é radioativo:

                Potássio-39 - 93,26 % - estável
                Potássio-40 - 0,0117 % - radioativo
                Potássio-41 - 6,73 % - estável

A meia vida do Potássio-40 é 1,26 bilhão de anos.

Um grama de Potássio produz 30,65 desintegrações por segundo.
Sendo 88,8 % emissão de partículas Beta resultando em Cálcio-40 e 11,2 % de emissão de radiação Gama resultando em Argônio-40.

O Potássio-40 é mais radioativo que o Urânio e o Tório.

                Atividade específica:

               K-40 = 262000 Bq/g
               U-238 = 12348 Bq/g
               Th-232 = 4057 Bq/g

Um becquerel, símbolo Bq, corresponde a uma desintegração nuclear por segundo.

No entanto, a quantidade do isótopo radioativo no Potássio é pequena e seus filhos, diferentemente do Urânio e do Tório, não são radioativos.

Uma pessoa de 70kg tem ~ 140 gramas de potássio no corpo que produzem, por conta do potássio-40, ~ 4500 desintegrações por segundo.

Neste ensaio, usei o contador Geiger para baixos níveis de radioatividade.

Coloquei o frasco com o potássio deitado ao lado da válvula Geiger-Müller para aumentar a área de detecção.



Foram dois ensaios, o primeiro para medir a radiação de fundo e o segundo para detectar a radioatividade do potássio metálico.

Resultados:

Foram 14179 pulsos totalizados para a radiação de fundo em 600 minutos de ensaio e 4748 pulsos para a amostra de potássio em 180 minutos.

Costumo fazer ensaios de 24 horas, porém, por segurança, decidi reduzir o intervalo da amostragem para não perder de vista a amostra de potássio. 


Conclusão:

Apesar da amostra estar dentro do frasco de vidro e ter uma área relativamente pequena de emissão foi possível detectar radioatividade.

O potássio é extremamente reativo e é mantido dentro de óleo mineral para evitar o contato com o ar,  seria muito perigoso colocá-lo em contato direto com a válvula Geiger-Müller sem o risco de explosões.  

Para calcular os resultados em CPM basta dividir o valor totalizado no display pelo tempo de ensaio em minutos.
O caráter aleatório do fenômeno da emissão radioativa torna medidas de curta duração um tanto erráticas.
Em função desse comportamento, médias produzidas por totalizações de longa duração dão valores mais consistentes.
Isso é particularmente importante para a medição de níveis baixos de radiação.

Veja também:

Contador Geiger para baixos níveis de radioatividade

https://potassio-40.blogspot.com/2019/09/contador-geiger-para-baixos-niveis-de.html


Comentários

  1. "não poder de vista a amostra de potássio." Creio haver um typo ai... não seria perder?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Radioatividade do filamento da Magnétron

A radioatividade do Granito

Chumbo na fumaça

Índice do Blog:

Radioatividade na lâmpada fluorescente 2

Joule Thief

A pilha de Zamboni