#122 - Polímero Fotossensível

                         Índice do Blog

O objetivo desta postagem é apresentar uma técnica que torna o acetato de polivinila, cola branca comum, sensível a radiação ultravioleta e produzir uma foto artesanal.
Escrito e desenvolvido por Léo Corradini

 


O íon dicromato (1) é muito usado para sensibilizar vários materiais, tais como; gelatina, albumina, goma arábica, resina acrílica e o acetato de polivinila.

O íon dicromato na presença da radiação ultravioleta produz novas ligações nesses polímeros tornando-os muito menos solúveis em água.

Assim, podemos criar aplicações interessantes derivadas dessa propriedade em; silk screen, circuito impresso, gravura em metais e fotografia artesanal.

Neste experimento vou usar o dicromato de potássio, cola branca comum e tinta preta de impressora jato de tinta.

A solução sensibilizadora é constituída de 4 gramas de dicromato de potássio dissolvido em 30 mL de água destilada.

A fórmula básica do polímero fotossensível é duas gotas da solução de dicromato para cada mL de cola branca.



Essa mistura deve ser feita e guardada em local pouco iluminado, ela funciona por alguns dias.

Para demonstrar a propriedade de perda da solubilidade quando em contato com a radiação ultravioleta, apliquei uma camada da mistura numa placa de circuito impresso montei um fotolito e coloquei na luz solar por um minuto. 
Depois de exposto ao sol ocorre uma discreta alteração na cor do polímero.

Em contato com a água, percebemos que as partes que foram menos expostas à luz ficam mais esbranquiçadas o que denota uma maior solubilidade.
O próximo experimento é uma técnica usada em fotografia artesanal.
Acrescentei na mistura base duas gotas de tinta preta de impressora jato de tinta, naturalmente outras tintas solúveis em água e outras cores poderão ser usadas.

Apliquei a nova mistura em um papel bem encorpado (gramatura 300 g/m²).
Na fotografia artesanal não existe o compromisso da perfeição na aplicação do polímero.
Montei o papel com o polímero seco junto com o negativo entre dois vidros e expus o conjunto ao sol por 7 minutos.
Depois lavei o papel por alguns minutos, o resultado ficou muito bom.

A tinta preta ficou presa no polímero endurecido.

Quase todo o alaranjado do dicromato foi lavado, criando uma foto com bonitos tons de cinza. 



Podemos usar essa técnica também na madeira e em tecidos.

(1) Podem ser usados o dicromato de amônio, dicromato de sódio e o dicromato de potássio.
    Atenção - o dicromato é tóxico e deve ser manipulado com cuidado.


Comentários

  1. Fantástico,tô muito interessado nesta técnica,Qual dicromato é melhor?Valeu muito!

    ResponderExcluir
  2. Pra quem precisar do dicromato, pode comprar o sensibilizante pra silkscreen pronto em casas de tinta ou artesanato, já vem pronto diluído, só não sei a concentração.

    É bem barato.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, pode funcionar, geralmente eles usam o dicromato de sódio.

      Excluir
  3. parabens....onde compro o diclomato?

    ResponderExcluir
  4. Belíssimo exemplo de como química, física e técnicas de aplicação da ciência, podem contribuir com as manifestações artísticas. :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

#042 - Radioatividade do filamento da Magnétron #1

#037 - A radioatividade do Granito

#034 - Índice do Blog

#023 - Joule Thief

#038 - Chumbo na fumaça

#046 - Kit de Química da John Adams

#052 - Impressora Jato de Tinta