#079 - Multímetro Analógico Italiano

O objetivo desta postagem é apresentar um multímetro analógico italiano vintage.

Escrito e desenvolvido por Léo Corradini

Na década de 1970 os multímetros analógicos ainda eram muito usados nas medições de grandezas elétricas.

Os modelos americanos Simpson e os japoneses Sanwa eram os mais conceituados em nosso mercado.

Porém existia uma linha de aparelhos italianos fabricados em Milão marca ICE (Industria Costruzioni Elettromeccaniche) que revolucionaram o conceito de multímetros analógicos.




Eu conhecia os multímetros dessa marca pelas revistas de eletrônica da época, mas quando fiquei cara a cara com eles, foi amor a primeira vista.



Foi o Leonardo Bellonzi, proprietário da Filcres (1), que trouxe esses multímetros para o nosso país.
Ele também traduziu a revista italiana "Nuova Elettronica" e lançou a lendária revista Nova Eletrônica no Brasil. 

São aparelhos muito bonitos, com a característica marcante de não usar a chave rotativa para a mudança das escalas, isso certamente aumentou muito a vida útil deles.
Sem a chave, o galvanômetro domina o frontal do aparelho.

Além das escalas normais, também tem entradas para medir corrente alternada, frequência e capacitância, incomuns para um multímetro analógico.





Um botão frontal multiplica por dois qualquer faixa de tensão e corrente.
Outro aspecto curioso desse multímetro é o uso de um fusível de proteção da entrada rearmável.    




O modelo da foto, Supertester 680R, é um dos mais completos.




Esse multímetro usa uma pilha de 3v que está atualmente extinta.
Eu quase perdi a placa dele porque decidi montar duas pilhas de óxido mercúrio de 1,35V em série.

O tamanho da nova pilha era semelhante das AA e coube no compartimento da original depois que retirei os terminais de contato.
As pilhas de óxido de mercúrio eram interessantes porque mantinham a tensão constante durante sua longa vida útil e não vazavam com facilidade.
Assim, soldei todo o conjunto com fios diretamente na placa mãe.

O arranjo funcionou bem por anos a fio, porém um belo dia o aparelho parou de funcionar e o motivo foi exatamente aquilo que eu mais temia, as pilhas vazaram !
O eletrólito dessas pilhas é o mesmo das alcalinas atuais, ou seja, uma solução de hidróxido de potássio.
Acontece que o hidróxido de potássio é extremamente higroscópico, então o volume de um pequeno vazamento se multiplica muito pela absorção de água da atmosfera.

Resultado, o eletrólito entrou por entre os fios e a capa isolante e migrou para a PCB.
Na PCB continuou sua viagem por entre a trilha e a máscara de solda. 
Por sorte, o eletrólito destruiu apenas uma trilha, mas por ser muito condutor colocou em curto varias trilhas anexas.


Lavei a placa com muito cuidado com água destilada.
Agora, eu uso uma pilha de lítio de 3V modelo CR2.
Na foto, ela está escondida dentro do espaguete isolante. 







Depois de 42 anos a escala de 0~10Vdc ainda está incrivelmente exata!



Em parte porque troquei os trimpots originais de carbono por modelos de cerâmica metalizada muito mais estáveis.


Dica: se a escala de ohms (x10k) de um multímetro analógico usar uma bateria com tensão relativamente alta (15V ou maior) pode-se usá-lo para descobrir quais são os terminais base e emissor de um transistor, porque essa junção comporta-se como um diodo zener.


Veja o manual em italiano:

http://www.fracassi.net/iw2ntf/manuali/ICE%20680R%204%20SERIE.pdf

Fiz essa foto na terra natal desse multímetro.




Piazza del Duomo - centro de  Milão (2)

(1) Rua Aurora travessa da Santa Ifigênia, cidade de São Paulo.

(2) O ano 1978 foi particularmente agitado para a Itália. 

No começo desse ano o primeiro ministro Aldo Moro foi sequestrado e depois de quase dois meses devolvido morto. 

Quando estive no centro de Milão, vi marchas populares com muita gente gritando slogans contra o governo. 
Nessas horas, as pessoas que estavam pelas calçadas corriam para dentro das lojas para se proteger de uma possível agressão.

Foi no fim desse mesmo ano, em outubro, que João Paulo II foi eleito.

Pouco antes, as emissoras de TV só mostravam a chaminé da Capela Sistina na esperança de ver a fumaça branca.
Seu antecessor, papa João Paulo I, só governou a igreja pouco mais de um mês, então falavam que ele foi assassinado porque precisavam de um líder forte.

Os carabinieri estavam por toda parte, nos aeroportos a vigilância era muito grande, eu estava preocupado em perder as fotos porque todas as bagagens passavam pelos raios X e isso poderia estragar os negativos.
Então, levei uma câmera pequena que coubesse no bolso do paletó sem fazer muito volume, a Kodak Pocket Instamatic 200.


Veja também:    

Índice do Blog
https://potassio-40.blogspot.com/2017/11/blog-post.html

Ensaio de Pilhas Alcalinas AA 

https://potassio-40.blogspot.com/2019/07/ensaio-de-pilhas-alcalinas-aa.html

Comentários

  1. Ótima página! Muito obrigado por compartilhá-la.

    ResponderExcluir
  2. Uma pena eu só estar vendo isso em 2021. Também só conhecia esse multímetro pelas revistas Monitor e Nova Eletrônica. Sempre achei interessante a idéia de não utilizar a chave seletora, origem de 99% dos problemas - na melhor das situações, oxidação e desgaste normal pelo uso.
    Lembro de ter visto um Sanwa N-501 à venda em Puerto Stroessner (hoje Ciudadd Del Este) pelos anos de 1984. Arrependimento maior foi do meu pai de não ter comprado. O multímetro mais completo que já tinha visto, mesmo assim não media frequência e capacitância como os ICE.
    Até hoje é difícil acreditar em um galvanômetro daquele tamanho com sensibilidade de apenas 2 microampéres !
    Era um valor alto, porém um investimento possível. Nunca mais vimos outro à venda desde então.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

#042 - Radioatividade do filamento da Magnétron #1

#037 - A radioatividade do Granito

#034 - Índice do Blog

#023 - Joule Thief

#038 - Chumbo na fumaça

#046 - Kit de Química da John Adams

#052 - Impressora Jato de Tinta