#041 - Uma Panaceia chamada Radium

                                       Índice do Blog

Pouco tempo depois que a radioatividade foi descoberta, surgiu a crença generalizada de que ela era benéfica para a saúde.

 Escrito e desenvolvido por Léo Corradini

Na esteira dessa crença, surgiram inúmeros tratamentos e produtos que continham substâncias radioativas, o elemento Rádio foi um dos mais usados.

Assim, a palavra "Radium" tornou-se um grande sucesso de marketing, fundamentado na crença de que substâncias radioativas eram a solução para muitos males.

Até as águas minerais, naturalmente radioativas, foram elevadas ao status de medicamento.


No Brasil, temos o clássico tratamento com a areia monazítica.

Em Guarapari, em frente da praia rica em areia monazítica, existe o Radium Hotel.




Porém, acredito que alguns produtos não continham Rádio (ou outras substâncias radioativas), pelo menos intencionalmente adicionado, mesmo porque ele é difícil de se obter e, portanto caro.
Ou seja, é possível que alguns dos produtos fizessem parte de propaganda "enganosa".

Suspeito, que o nosso bom e velho sapólio Radium seja descendente de um desses produtos o "Radium Hand Cleaner" (veja na página francesa).





Talvez, eles, os produtores do "Radium Hand Cleaner", também tenham surfado na onda da palavra "Radium".

A título de curiosidade vou medir a radioatividade do nosso sapólio.

Esta página francesa mostra vários produtos dessa época:


http://www.dissident-media.org/infonucleaire/radieux.html

Ensaio comparativo da radioatividade do sapólio Radium.





Os seis materiais ensaiados foram colocados em frente da janela da válvula Geiger-Müller por cerca de 24 horas. 

O ensaio da radiação de fundo significa que nada foi colocado na frente da janela.

Médias em "Contagens Por Minuto":

- Sapólio Radium

Resultou 30314 contagens em 1446 minutos -> 20,89 CPM 

- Radiação de fundo

Resultou 32212 contagens em 1510 minutos -> 21,33 CPM

- 120 gramas de Cloreto de Potássio

Resultou 55063 contagens em 1393 minutos -> 39,53 CPM

- Granito Dourado Carioca

Resultou 37361 contagens em 1413 minutos -> 26,44 CPM

- 120 gramas de Sal Light (mistura de NaCl com KCl)

Resultou 43579 contagens em 1429 minutos -> 30,49 CPM

- Placa de Chumbo com 1 mm de espessura

Resultou 28260 contagens em 1518 minutos -> 18,62 CPM

- 120 gramas de Sal refinado comum


Resultou 31797 contagens em 1502 minutos -> 21,17 CPM




O mais interessante desse ensaio foi o valor um pouco menor obtido com sapólio em comparação com a radiação de fundo.

Portanto, podemos continuar usando o sapólio Radium sem medo!

O sal comum também apresentou, em menor grau, esse fenômeno.
Isso significa que ele não é radioativo (1) e sua massa serviu como uma espécie de blindagem para a radiação de fundo.





Projeto do contador Geiger usado no ensaio:
https://potassio-40.blogspot.com.br/2017/11/contador-geiger-muller.html


Acredito, que usando esses números podemos estimar aproximadamente a quantidade de Potássio no sal light. 
Entre o sal comum (NaCl) e o Cloreto de Potássio temos uma diferença de 18,36 contagens por minuto e entre o NaCl e o sal light 9,32 contagens, que dá 50,76% de Cloreto de Potássio no sal light, um valor coerente (2)

No futuro, para confirmar esse método de análise quantitativa do Potássio, vou fazer misturas conhecidas de KCl e NaCl e medir com o contador Geiger.   

Os outros resultados já eram esperados, lembrando que os granitos possuem pequenas quantidades de Urânio, Tório e Potássio.


Veja um estudo mais detalhado dos granitos aqui:
https://potassio-40.blogspot.com/2017/11/a-radioatividade-do-granito.html


A válvula usada nesse projeto é sensível a radiação Alfa, Beta e Gama (3) e certamente também detecta os Múons produzidos na alta atmosfera. 
Então, podemos afirmar que o valor 21,33 CPM é uma soma de todas elas em uma proporção desconhecida, suspeito que a radiação do radônio e os Múons sejam majoritários.

O Chumbo barrou todas as partículas Alfa e, talvez, todas as Betas também.
Porém, no caso das Betas, foram barradas somente aquelas que entrariam diretamente pela janela da válvula, restando as que penetraram pelo corpo da válvula.


(1) Provavelmente sua radioatividade é tão baixa que não pode ser detectada por esse método.

(2) A proporção de KCl e NaCl no sal light é 50%. 

(3) O gás usado nas válvulas Geiger-Müller é pouco sensível à radiação Gama, porém quando essa radiação atinge o invólucro metálico da válvula desprende elétrons que por sua vez ioniza o gás dentro da válvula causando a avalanche e consequente contagem pela eletrônica.
Assim, as radiações Alfa, Beta e Múons podem ionizar o gás atravessando a janela de mica e as radiações Beta, Gama e Múons pela carcaça metálica.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

#042 - Radioatividade do filamento da Magnétron #1

#037 - A radioatividade do Granito

#034 - Índice do Blog

#023 - Joule Thief

#038 - Chumbo na fumaça

#046 - Kit de Química da John Adams

#052 - Impressora Jato de Tinta