#025 - Perda do iodato com o calor



O objetivo deste ensaio é verificar a perda do iodo aditivado no sal comum com a fervura.

 Escrito e desenvolvido por Léo Corradini

Existem alegações na internet de que é importante ingerir o iodo na forma de Lugol (1) porque aquele que foi aditivado no sal se perde com o calor do cozimento (2).
Aliás, ingerir Lugol é outra moda atual, o mais grave é que isso também é dito por uma pessoa da área de química.

Teoria do ensaio:
 
O íon iodato usado como aditivo de iodo no sal reage com o íon iodeto em meio ácido produzindo iodo livre.
 
(IO³-) + (5I-) + (6H+) = 3I2 + 3H²O
 
Para aumentar a sensibilidade do ensaio usei uma solução de amido solúvel, que se tinge de roxo quando em contato com o iodo livre.
 
Reagentes usados:
 
- Solução com 2g de sal comum iodado dissolvido em 200 mL de água destilada.
- Solução com 3g de Iodeto de potássio em 30mL de água destilada.
- Solução com 3mL de Ácido Clorídrico em 27mL de água destilada.
- Solução de Amido Solúvel 0,5%.
 
Procedimento:
 
Retirei uma amostra de 10 mL (amostra 1) da solução do sal comum e fervi os 190 mL restantes em fogo baixo por 15 minutos.
Depois que a solução que sobrou da fervura esfriou, retirei outra amostra de 10 mL (amostra 2).
Elevei o volume restante para aproximadamente 190 mL (3) e retirei outra amostra (amostra 3)
Mais uma amostra de referência com 10 mL, somente de água destilada.
Em todos os quatro tubos das amostras:
- Acrescentei uma gota da solução de Iodeto de Potássio.
- Mais uma gota da solução de Ácido Clorídrico.
- Finalmente, duas gotas da solução de amido solúvel.
 
Resultados:
 
Podemos observar que não houve perda significante do íon iodato depois da fervura.
A amostra da solução que ficou concentrada pela perda de água na fervura mostrou um aumento da concentração do íon iodato, como esperado.
(1) Lugol é um produto vendido nas drogarias usado como desinfetante cuja fórmula é iodo, em várias concentrações, dissolvido numa solução de iodeto de potássio.
(2) Para nós, que estamos acostumados com a estabilidade das soluções de iodado de potássio ou sódio, isso não faz sentido.
Porém, também é divertido mostrar o óbvio.
(3) Errei nessa manobra e acabei aumentando demais o volume causando uma diluição final não consistente com a diluição inicial.
Simplesmente esqueci de considerar a retirada dos 10 mL da amostra 2.
Mas isso certamente não invalidou o ensaio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

#042 - Radioatividade do filamento da Magnétron #1

#037 - A radioatividade do Granito

#034 - Índice do Blog

#023 - Joule Thief

#038 - Chumbo na fumaça

#046 - Kit de Química da John Adams

#052 - Impressora Jato de Tinta